Assoc. e Sindicatos
Assoc. Internacionais
Currículos
Código de ética
Contribuição Sindical
Cursos on-line
Dia da Secretária
Eventos
Fale Conosco
Informações Úteis
Lei (Regulamentação)
Mapa do Site
Publicidade
Quem Somos
Registro Profissional
Serviços
Sites Interessantes
Tradução
Treinamentos in Company
Utilidades
Home

Envie-nos um email!

Novidades Secret@riando
 

 

 

Saúde

 

 

AS DOENÇAS DO SEXO

 

(por Clarice Bombana)

 

O uso regular de preservativos garantiria   prazer sem nenhum tipo de transtorno. Mas nem todas as pessoas cumprem a lição de casa. Segundo os especialistas, de 10% a 15% das mulheres que têm vida sexual ativa podem estar com alguma doença transmitida durante suas relações. 

E, 90% dos casos, os primeiros sintomas passam despercebidos. A ginecologista Lucila Pires Evangelista, do Hospital Albert Einsten, em São Paulo, dá um panorama das conseqüências dessas doenças sexualmente transmissíveis (DST) - desde um inocente corrimento até o esterilidade ou a morte. 

Detectado o problema, ele vira assunto do casal. Isso porque não adianta só a mulher se tratar, pois o homem continuará transmitindo o mal para a sua companheira. Às vezes o agente causador demora meses, anos para se manifestar. Portanto, uma pessoa tem apenas um parceiro pode transmitir a ele o que adquiriu, tempos atrás, em outra relação. 

 

Doença

Causador

Como se manifesta

Transmissão

Complicações

Cancro mole 

a bactéria Hemophilus ducreyi

são pequenas feriadas de forma arredondada que aparecem na genitália

sexual

gânglios ou ínguas na virilha que podem conter pus e romper-se espontaneamente

Candidíase

o fungo Cândida albicans

sob a forma de corrimento branco, com aspecto parecido com o da nata do leite, que provoca coceira e ardor. A vulva e a vagina ficam avermelhadas e inchadas. 

sexual

Mas a baixa resistência do organismo pode facilitar a proliferação. 

feridas no colo do útero. Os médicos as chamam de ectrópios.

Clamídia

a bactéria Chlamydia trachomatis

essa bactéria age silenciosamente - quase não provoca sintomas. Mas pode aparecer um corrimento aquoso acompanhado de ardor.

sexual

inflamação dos órgãos de pelve - útero, ovário, tubas, bexiga e parte do intestino grosso -, infertilidade e gravidez tubária

Gonorréia

a bactéria Neisseria gonorrhoeae

pode ocorrer um corrimento amarelado com pus, ardor na hora de fazer xixi e dor na região pélvica

sexual

inflamação dos órgãos da pelve, infertilidade e gravidez tubária. Cerca de 20% das mulheres que têm gonorréia desenvolvem algum tipo de doença nas trompas. 

Hepatite B

Hepatitis B Vírus 

a pessoa perde o apetite, tem febre vômito. Pode ficar com a pele amarelada, muito indisposta e sentir dores na região do abdome.

sexual, vertical - da mãe para o feto - transfusão de sangue e contato com sangue e secreções contaminadas

hepatite crônica, cirrose, câncer de fígado e insuficiência hepática. 

HPV

o Papilomavirus humano

verruga genital, coceira, correimento e ardor

sexual

profileração das verrugas na vagina, na regial anal ou no períneo, cânce de colo de útero. 

Herpes genital

Herpes virus hominis

pequenas bolhas agrupadas na região genital, muito doloridas. Elas estouram e cicatrizam sozinhas

sexual e vertical - da mãe para o filho

aborto, parto prematuro, infecção do útero. O sistema nervoso do bebê pode ser atingido.
A herpes não tem cura é uma infecção recorrente. O tratamento, feito à base de antivirais, diminui a reincidência. 

Molusco contagioso

Poxvirus

bolhas na região da vagina

sexual, mas também por toalhas e roupas íntimas

não há 

Pediculose do púbis 

o inseto Phthirus pubis, popularmente conhecido com chato

coceira na região pubiana coberta de pêlos

relações sexuais, contato com lençol, toalha, roupas íntimas e vasos sanitários contaminados

atinge os pêlos do baixo abdome, do ânus e das coxas

Sifilis

a bactéria Treponema pallidum 

primeiro aparecem bolhas de casco duro, que não provocam dor, na região genital. em seguida surgem manchas rosadas, principalmente na palma das mãos e plantas dos pés

por relação sexual, vertical - da mãe para o feto - e por transfusão de sangue

a doença atinge o sistema nervoso central e o coração, podendo levar à morte. Há o risco também de causar aborto, parto prematuro ou malformação do bebê, caso a gestante tenha a bactéria

Tricomoníase

o protozoário Trichomonas vaginallis

corrimento amarelado com bolhas de água opacas, acompanhado de odor, forte, coceira, ardor e dor

sexual

irritação da vagina e ferida no colo do útero. Inflamação da região pélvica e esterilidade. 

Vaginose

a bactéria Gardnerella vaginallis

corrimento espesso com cheiro forte, que aparece principalmente depois da relação sexual, e ardor vaginal 

sexual

ferida no colo do útero e inflamação dor órgãos de pelve, inclusive das trompas. Pode levar a infertilidade ou provocar gravidez tubária

 

A mulher deve fazer uma consulta ao ginecologista pelo menos um vez por ano para realizar os exames de rotina - clínico e papanicolau. Os demais só são pedidos quando há suspeita de algumas contaminação.

 

Exames

- Ginecológico clínico

Por meio de uma aparelho em forma de bico-de-pato, chamado especulo, as paredes da vagina são dilatadas. Assim o colo do útero e as secreções vaginais pode ser observadas. Também compreende o exame de toque, para analisar o tamanho do útero, dos ovários e das trompas. 

 

- Papanicolau

O especialista retira com um especulo a secreção da vagina e do colo do útero para análise das células em laboratório.

 

- Colposcopia

Por meio de uma aparelho chamado colposcópio, que tem lente de aumento e filtro de luz, é possível detectar lesões no colo do útero e na vagina. Também é feito o teste de Schiller - uma mistura de iodo é passado no colo do útero para observas as células. 

 

- Vulvoscopia

A vagina é analisada com o colposcópio. É realizado também o teste de Collins - aplica-se corante na região para identificar lugares suspeitos de contaminação. 

 

- Cultura da secreção vaginal 

O especialista colhe a secreção da vagina e manda para o laboratório. 

 

- Sorologia

As doenças provocadas por vírus, como sífilis, a herpes genital e a hepatite B, são diagnosticadas com exame de sangue. 

 

- Captação híbrida ou hibridização "in situ"

Exame de biologia molecular que detecta o vírus pela identificação de seu DNA. Utilizado para identificar HPV e herpes. 

 

Fonte: Saúde é Vital Especial: Seu Guia Prático sobre A Saúde da Mulher - nº 16 

 

 

Leia mais artigos sobre Saúde...

 

 

 

 

Melhor visualizado em 800 x 600 high color - 
Todos os direitos reservados.
 Secret@riando.com.br® 2001-2002